BLOG

Segurança eletrônica pode inibir violência nas escolas

Mesmo sendo um lugar de formação de ética e moral, a escola é palco de diferentes tipos de violência, um problema social que já se tornou comum neste ambiente. Os casos diários de crimes, violência doméstica e corrupção podem ser espelhados em atitudes semelhantes pelos jovens, que perdem, cada vez mais, a credibilidade quanto a uma sociedade igualitária e pacífica.

Sem alternativas, os docentes, coordenadores e diretores precisam tomar ações opressivas, que refletem no comportamento já descontrolado dos alunos. Dados alarmantes tornam explícita a situação de perigo que assola as escolas brasileiras, tanto públicas quanto privadas. As consequências desse cenário não representam danos apenas para a proteção material e pessoal, mas também para o desenvolvimento dos professores e alunos.

Entenda algumas razões por trás desse alerta e saiba como a tecnologia de segurança pode mudar esse quadro.

Violência pode atingir alunos e professores

Cenário de violência representa danos não apenas às pessoas e dependências, mas ao desenvolvimento de alunos e professores

Violência contra professores e alunos

4 a cada 10 professores já sofreram violência na escola, no Estado de São Paulo, de acordo com pesquisa realizada pelo Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o Instituto Data Popular, na qual 1.400 docentes foram entrevistados.

Desse total:

  • 72% afirmam já terem presenciado brigas entre alunos
  • 62% dos professores disseram já ter sido xingados
  • 35% já foram ameaçados por alunos
  • 35% já tiveram um bem pessoal danificado por alunos
  • 24% já foram roubados ou furtados na escola

Já em relação aos alunos, segundo outra pesquisa realizada pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) em parceria com o Ministério da Educação e a Organização dos Estados Interamericanos (OEI):

  • 70% afirmam terem presenciado violência dentro da escola
  • 65% dos estudantes afirmam, ainda, que as agressões partem dos próprios colegas
  • os tipos de violência incluem roubos ou furtos (25% dos casos) e ameaças (21%).
xpto

70% dos alunos entrevistados já presenciaram cenas de violência nas escolas

Locais onde ocorre a violência nas escolas

Como podemos observar, o ambiente escolar brasileiro apresenta diferentes formas de tensões ligadas à segurança das pessoas ali presentes. Isso se torna mais crítico quando consideramos os locais de maior incidência dos casos de violência.

Ainda de acordo com resultados trazidos pela Flacso juntamente com a OEI, a sala de aula e os pátios estão empatados em primeiro posição entre os locais de maior ocorrência, representando 25% dos casos cada um. Em seguida, temos os corredores com 22%.

Presença de drogas e armas nas escolas

O estudo da Apeoesp revela que 42% dos professores disseram ter presenciado alunos sob efeito de drogas dentro das escolas e 29% dos docentes afirmam ter tráfico de drogas na escola onde trabalham.

Quanto à questão do porte de armas nas instituições, um levantamento feito pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que 1 a cada 6 escolas públicas no Brasil possuem alunos que levam armas brancas para o ambiente escolar, como facas e canivetes. Além disso, 2,1% das instituições de ensino públicas brasileiras registraram casos de alunos portando armas de fogo (total de 1.195 registros).

Como a tecnologia traz mais segurança às escolas?

Como vimos acima, diversos fatores influenciam no quadro de violência nas instituições, gerando ameaças para os estudantes e professores em sua rotina. Além disso, o próprio desempenho durante as aulas pode ser enfraquecido devido à constante tensão, gerando quedas no comparecimento e dificuldade na concentração para aprendizagem e ensino.

Uma alternativa para solucionar esse contexto é investir em tecnologias de segurança para um monitoramento mais eficaz acerca de ocorrências perigosas dentro das escolas. O monitoramento de vídeo inteligente traz diversos benefícios e auxilia num controle otimizado sobre as atividades diárias a fim de garantir o maior bem-estar para funcionários e alunos.

Confira, a seguir, alguns softwares analíticos de vídeo que podem ser associados a câmeras de CFTV, garantindo que toda ocorrência seja identificada automaticamente (sem a necessidade de mão-de-obra humana) e devidamente tratada em ambientes escolares:

  • Contagem de pessoas nas entradas e saídas
  • Contagem de pessoas nas salas de aula
  • Detecção de aglomeração (possíveis brigas)
  • Detecção de objetos retirados
  • Reconhecimento facial de suspeitos na entrada das instituições
  • Monitoramento de muros para detectar invasão de perímetro
  • Detecção de objetos abandonados por alguém
  • Reconhecimento de placa de veículos
O monitoramento eletrônico pode registrar e gerar alertas de ocorrências

O monitoramento eletrônico pode registrar e gerar alertas de ocorrências

Além dessas opções, ainda é possível associar os analíticos de vídeo com outras estratégias para tornar a solução mais completa, como:

  • Controle de acesso de professores e funcionários através de catracas e cartões magnéticos
  • Utilização de sensores nos fardamentos para controle de frequência e permanência na escola
  • Controle de acesso de veículos e visitantes através de cancelas em pátios, portarias e recepções
  • Sensores de áudio para detecção de tiros e distúrbios

Considerando este quadro, é preciso ter a tecnologia como aliada e como parte de um processo educacional eficaz para alunos e professores. Bem como a educação, a segurança é essencial para a manutenção da ordem e da evolução dos alunos e agentes envolvidos nas instituições.